PCB engrossa as lutas populares em Ponta Grossa

PCB Paraná 1 de julho de 2013 Comentários

Em Ponta Grossa, as manifestações ocorreram  por vários dias, assim como em outras cidades do Paraná e do Brasil. Nem a chuva espantou os manifestantes, cuja maioria era formada por jovens e estudantes.

Os militantes rejeitaram as bandeiras partidárias, porém  não se opuseram as bandeira da Unidade Classista, da Pastoral Operária, da Juventude, do MST e do movimento estudantil. A multidão não tinha claro suas reivindicações e abriu espaço até para palavras de ordem  reacionárias.

Além da marcha, foi realizado um ato na Câmara de Vereadores forçando a cassação da vereadora do PT, acusada de autossequestro. Já o terminal central dos ônibus do transporte coletivo foi fechado como forma de pressionar o rebaixamento da passagem em 10 centavos e  a quebra do monopólio.

Na quarta (26), os trabalhadores do transporte coletivo pararam 100% dos ônibus, que só retornaram  na sexta (28), depois da negociação com a empresa. Durante a queda de braço, o movimento conseguiu avançar em mais de 50% de suas reivindicações. Em todas as atividades políticas os comunistas distribuíram material do Partidão.

Segundo Eugenio Francisco da Rosa, membro do Comitê Municipal do PCB em Ponta Grossa, a cidade está em vias de se iniciar a greve dos frentistas de postos de combustíveis. “A greve está sendo marcada para  início de julho. O povo  está se levantando contra a farsa de que tudo está bem. Nem a Copa das Confederações consegue tampar mais tanta enganação e roubalheira e desrespeito com  a população”, afirmou.