1º de maio é dia de luta dos trabalhadores!

PCB Paraná 1 de maio de 2014 Comentários

poder-popularEm 1886 na cidade de Chicago, EUA, milhares de trabalhadores saíram às ruas pacificamente para exigir a redução da jornada de trabalho para 8 horas. A polícia reprimiu a manifestação, dispersando, ferindo e até matando dezenas de operários. Infelizmente, a nossa história de luta não mudou muito. Ainda precisamos lutar para que a nossa vida melhore, por direitos que não são cumpridos, por mais saúde, educação, moradia, transporte, ou seja, por coisas necessárias para a nossa sobrevivência.

Entra governo e sai governo e a nossa vida continua sendo de muito trabalho por salários que sequer dão conta de uma alimentação adequada. Além disso, passamos mais tempo no trabalho do que com a família e as pessoas que amamos, há falta de atendimento e de qualidade na saúde, e a educação de nossos filhos e filhas é precarizada.

E então, porque tudo isso não mudou, mesmo com as mudanças de governo que ocorrem de 4 em 4 anos? Não mudou porque todos os grupos políticos que tomaram o poder até agora estiveram a serviço de manter a engorda dos patrões, dos ricos, dos grandes empresários, ou seja, mantiveram o estado e o governo no modelo capitalista. Estes não foram e nem serão comprometidos com os trabalhadores.

Neste ano já pudemos ver diversos ataques aos trabalhadores! Várias categorias tiveram que entrar em greve, como os correios, educadores das redes públicas de ensino e até policiais. E enquanto isso a Copa do Mundo é organizada à custa do dinheiro público e à custa de vida de trabalhadores nas construções de estádios, tudo para atender os grandes grupos empresariais representados pela FIFA.

Em Foz do Iguaçu…
Na nossa cidade não é diferente! De sol a sol, trabalhamos muito e o que recebemos em troca é o medo constante de perder o emprego, o ônibus lotado para chegarmos ao trabalho, são as filas para atendimento à saúde, é a falta de espaços públicos de lazer, é a falta de vagas nas creches para as nossas crianças. Enfim, esta cidade não é para nós trabalhadores, é para os que possuem dinheiro, propriedades, para os que não carecem dos serviços públicos.

Tudo o que descrevemos não é natural e não ficará para sempre assim se nós trabalhadores nos organizarmos! Para que este cenário se transforme a nosso favor, precisamos reunir forças com outros trabalhadores, pois não adianta sofrermos sozinhos e calados. Devemos nos organizar em sindicatos da nossa categoria, nas associações de bairro, nos movimentos sociais e nos Partidos que realmente querem transformar a sociedade.

Somos sujeitos da história!

Já dizia, uma trabalhadora que lutou muito pela mudança social, a socialista Rosa Luxemburgo: “Quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem”.

PCB – UJC -  Unidade Classista
Foz do Iguaçu, 1º de maio de 2014